quarta-feira, 6 de agosto de 2008

Gosto e não gosto dos piropos

Não sou daquelas que se exalta por ouvir um piropo. Alguns são muito vulgares, pouco imaginativos e portanto desinteressantes. São daqueles que tanto se dizem a uma mulher de boa apresentação como à peixeira da praça. Outros têm algo que me faz bem ao ego... gosto de os ouvir. Não dou troco, mas gosto!

Já tive inclusive uma história caliente que começou por um piropo. Depois uns minutos do piropo (quando finalmente ganhou coragem para encarar a fera na cara) veio falar de mansinho a dizer que esperava que eu não tivesse ficado chateada mas que não conseguiu conter o espanto perante a minha presença bla bla bla. Mas a verdade é que eu adoro quando eles chegam com falinhas mansas, mas no entanto estão a bufar por dentro à espera de poderem soltar as garras.

Só foi pena que ele não soubesse quando parar, isto é, sim senhora, fomos umas vezes para a cama (como quem diz... carro, wc do centro comercial, ...) mas chegou a um ponto que já não me dava o mesmo tesão. E eu não gosto de deixar arrastar as situações até que percam totalmente o interesse. Se as coisas terminam quando se começa a sentir o inicio do declineo, então ficam apenas boas recordações. Coitado do rapaz, gostou do que provou e agora não larga o osso... mas daqui já levou o que tinha a levar (e nem se pode queixar de ter sido pouco).

E o descarado ainda me ficou com umas cuecas que eu adorava! Se um dia vier ter comigo outra vez, desconfio que ainda o obrigo a devolver-mas...

2 comentários:

Santhiago Ramirez disse...

Bom-humor e inteligência, quando combinam, fazem textos muito bons. Adorei.
Beijos carinhosos do Thiago

vita disse...

Eh eh

E se ele as deu a vestir a outras..nãaaa não queiras..;P

Beijooo